BUSQUEMOS SEMPRE A PAZ , INCESSANTEMENTE, ININTERRUPTAMENTE!...

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

AMOR...

MSF INAUGURA CENTRO DE TRATAMENTO DA CÓLERA NO SUDÃO DO SUL


Em colaboração com autoridades nacionais de saúde, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) inaugurou um centro de tratamento de cólera (CTC) em Juba, em resposta a um surto declarado pelo Ministério da Saúde no dia 23 de junho.
A instalação de 800 metros quadrados está localizada no bairro de Muniki, Bloco A, e foi projetada para ter a capacidade passível de ampliação para até 150 leitos, se for preciso. Até 7 de julho, autoridades locais e a Organização Mundial da Saúde (OMS) haviam reportado 710 casos e 33 mortes na capital sul-sudanesa.
“Os moradores com suspeita de cólera podem receber tratamento médico gratuito e altamente qualificado nessa instalação”, diz Paul Critchley, coordenador-geral de MSF no Sudão do Sul. “Este é um centro de tratamento moderno, construído com base em padrões elevados, em coordenação com o Ministério da Saúde, que lidera a Força-tarefa de Cólera. O centro está oferecendo serviço médico urgentemente necessário para a comunidade.”
A cólera é uma bactéria transmitida pela água que causa diarreia profunda, vômitos e rápida desidratação. Ela é tratada substituindo os fluidos e eletrólitos dos pacientes, por meio de solução de reidratação que pode ser administrada por via venosa ou oral, para o caso de os pacientes conseguirem engolir. O tratamento de cólera oferecido no CTC de MSF reduz significativamente o risco de morte pela doença.
“Os sintomas da cólera são diarreia e vômitos intensos”, diz Stephanie Mayronne, coordenadora médica de emergência de MSF. “As pessoas da comunidade que apresentam esses sintomas devem procurar tratamento para uma possível infecção por cólera o mais rápido possível, assim que os sintomas aparecem.”
- See more at:Em colaboração com autoridades nacionais de saúde, a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) inaugurou um centro de tratamento de cólera (CTC) em Juba, em resposta a um surto declarado pelo Ministério da Saúde no dia 23 de junho.
A instalação de 800 metros quadrados está localizada no bairro de Muniki, Bloco A, e foi projetada para ter a capacidade passível de ampliação para até 150 leitos, se for preciso. Até 7 de julho, autoridades locais e a Organização Mundial da Saúde (OMS) haviam reportado 710 casos e 33 mortes na capital sul-sudanesa.
“Os moradores com suspeita de cólera podem receber tratamento médico gratuito e altamente qualificado nessa instalação”, diz Paul Critchley, coordenador-geral de MSF no Sudão do Sul. “Este é um centro de tratamento moderno, construído com base em padrões elevados, em coordenação com o Ministério da Saúde, que lidera a Força-tarefa de Cólera. O centro está oferecendo serviço médico urgentemente necessário para a comunidade.”
A cólera é uma bactéria transmitida pela água que causa diarreia profunda, vômitos e rápida desidratação. Ela é tratada substituindo os fluidos e eletrólitos dos pacientes, por meio de solução de reidratação que pode ser administrada por via venosa ou oral, para o caso de os pacientes conseguirem engolir. O tratamento de cólera oferecido no CTC de MSF reduz significativamente o risco de morte pela doença.
“Os sintomas da cólera são diarreia e vômitos intensos”, diz Stephanie Mayronne, coordenadora médica de emergência de MSF. “As pessoas da comunidade que apresentam esses sintomas devem procurar tratamento para uma possível infecção por cólera o mais rápido possível, assim que os sintomas aparecem.”

PESSOAS ENCURRALADAS PELA VIOLÊNCIA PASSANDO NECESSIDADE DE TODOS OS TIPOS


Na medida em que os confrontos se intensificam no estado do Alto Nilo, no Sudão do Sul, e as necessidades humanitárias das pessoas aumentam, organizações humanitárias estão enfrentando dificuldades crescentes para chegar às áreas mais gravemente afetadas, de acordo com a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF). MSF pede a todas as partes do conflito que permitam o acesso irrestrito à Malakal e a regiões de seu entorno para que agências humanitárias possam prestar assistência urgente às milhares de pessoas encurraladas pela violência.
“Dezenas de milhares de pessoas têm estado sem acesso a cuidados médicos há três meses”, diz William Robertson, gestor do programa de MSF no Sudão do Sul. “Isso está acontecendo em meio a uma nova onda de violência que está ameaçando a vida de inúmeros civis.”

HEPATITE, MALÁRIA, DESNUTRIÇÃO E EM CAMPO DE REFUGIADOS EM BENTIU, SUDÃO DO SUL


“A situação atual é precária, com novas pessoas chegando todos os dias ao acampamento de Proteção de Civis da ONU em Bentiu, em busca de abrigo e proteção. O agravamento do conflito no estado de Unity em abril forçou a saída de muitas pessoas de suas casas e, hoje, cerca de 110 mil deslocados vivem aqui. Isso é mais do que o dobro do número de pessoas que estavam aqui há alguns meses e o local parece mais uma cidade do que um acampamento.
Instalações sob pressão
O influxo extra de pessoas aumentou a pressão sob os recursos existentes, incluindo o hospital mantido pela organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras (MSF) que está operando quase em capacidade máxima. Temos observado um aumento significativo nos casos de malária ao longo do mês passado, tendo tratado mais de 2 mil casos apenas em julho, e admitido mais de 150 pessoas com malária grave com complicações em nossa instalação. A fim de reduzir esses números, e de limitar as complicações da malária grave, começamos a apoiar três clínicas de emergência no acampamento voltadas para crianças com menos de cinco anos, que oferece acesso imediato a diagnóstico e tratamento.
A desnutrição grave também é muito preocupante. Só em julho, nosso hospital admitiu mais de 100 crianças pequenas sofrendo de desnutrição grave com complicações para receberem tratamento terapêutico intensivo. Infelizmente, muitas crianças chegam tarde demais ao hospital, com sintomas avançados, resultando em uma alta taxa de mortalidade (23% de mortalidade reportada em julho).

MALÁRIA NO SUDÃO DO SUL


Picos de malária em regiões do Sudão do Sul aumentam a propensão de uma nova estação grave da doença no país. Milhares de pacientes já estão sendo tratados por Médicos Sem Fronteiras, mas a organização alerta que ainda é preciso ampliar o acesso a tratamento e investir em medidas preventivas para evitar a perda de um número incalculável de vidas. Confira! http://goo.gl/fkPKbW (Jacob Kuehn/MSF)